TJSC mantém Evanio Wylyan Prestini preso

Iniciou por volta das 14h30min a audiência sobre o recurso contra a manutenção da prisão preventiva de Evanio Wylyan Prestini, motorista do Jaguar F-Pace que se envolveu num grave acidente de trânsito na BR-470, em Gaspar, no mês passado, que resultou na morte de duas jovens. O exame de alcoolemia atestou que ele estava conduzindo o veículo sob efeito de álcool.

A audiência de hoje (14) ocorreu o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), presidida pelo desembargador Alexandre D’ivanenko, tendo como defensor de Prestini o advogado Claudio Gastão da Rosa Filho, que solicitou a possibilidade para que Evanio possa responder o processo em liberdade, alegando que Evanio teve um bom comportamento no local do acidente e contribuiu com as autoridades e alegou que o acidente possivelmente ocorreu por conta de um pneu furado.

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Receba em primeira mão nossas notícias via WhatsApp
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

Antes de chegar no TJSC, advogados já haviam solicitado a revogação da prisão da preventiva, que foi negada pela Comarca de Gaspar, assim como um pedido de Habeas Corpus, negado pelo próprio desembargador
D’ivanenko, no dia 1º de março. No decorrer desse tempo foi solicitada a liberação do veículo do preso, que também foi negada.

Logo depois de ouvir o advogado de defesa, os juízes da
4ª Câmara Criminal resolveram manter por unanimidade a prisão preventiva do réu, que seguirá preso. Na análise da turma, composta também pelos magistrados José Everaldo Silva e Sidney Eloy Dalabrida, não houve nenhuma irregularidade no processo e na decretação da custódia do motorista, que bêbado, acabou se envolvendo no acidente que removeu sonhos e causou muita dor às famílias das vítimas, incluindo três sobreviventes.

Evanio ainda poderá apresentar recursos ao Superior Tribunal de Justiça e caso continuar preso, ao Supremo Tribunal Federal, até o dia de seu julgamento. O Ministério Público de Santa Catarina quer que o crime cometido por ele, seja considerado de duplo homicídio e três tentativas de homicídio, dessa forma, ele seria submetido a Júri Popular.

Foto: Camila Zwang / Leitora NVI

error: Conteúdo Protegido!!