Sem solução inteligente e consensual Temer autoriza uso de forças federais para desbloquear rodovias

O governo federal autorizou hoje (25) o uso de forças federais de segurança para liberar as rodovias bloqueadas pelos caminhoneiros que estão no quinto dia de paralisação em todo o Brasil. O anúncio foi feito há pouco pelo presidente Michel Temer, em pronunciamento no Palácio do Planalto, que foi transmitido ao vivo por praticamente toda a cadeia nacional de tevelisão. A decisão foi tomada após reunião no Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que contou com a participação de ministros e do presidente.

Temer disse: “Quero anunciar um plano de segurança imediato para acionar as forças federais de segurança para desbloquear as estradas e estou solicitando aos governadores que façam o mesmo. Não vamos permitir que a população fique sem os gêneros de primeira necessidade, que os hospitais fiquem sem insumos para salvar vidas e crianças fiquem sem escolas. Quem bloqueia estradas de maneira radical será responsabilizado. O governo teve a coragem de dialogar, agora terá coragem de usar sua autoridade em defesa do povo brasileiro.” 

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

Na noite de ontem (24), os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Eduardo Guardia (Fazenda) e Carlos Marun (Secretaria de Governo) anunciaram acordo para suspensão dos protestos da categoria por 15 dias, o que em prática não aconteceu. Mesmo assim o presidente da República afirmou em seu pronunciamento que “minoria radical” é quem está impedindo que muitos caminhoneiros cumpram o acordo e voltem a transportar mercadorias.

Lembramos que a decisão de suspender a paralisação não foi unânime. Das 11 entidades do setor de transporte, em sua maioria caminhoneiros, que participaram do encontro, porém duas delas, a União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam) e a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que representa 700 mil trabalhadores, recusaram a proposta.

Hoje a associação divulgou nota na qual afirma que, ao contrário de outras entidades, “que se dizem representantes da categoria, a Abcam, não trairá os caminhoneiros”. “Continuaremos firmes com pedido inicial: isenção da alíquota PIS/Cofins sobre o diesel, publicada no Diário Oficial da União“, diz o texto.

 

*Com informações da Agência Brasil
Foto: Jefferson Santos / Notícias Vale do Itajaí

 

 

 

error: Conteúdo Protegido!!