Receita Federal abre consulta ao primeiro lote de restituição do Imposto de Renda

Da Agência Brasil

A Receita Federal abriu ontem (10), a consulta ao primeiro lote de restituição do Imposto de Renda Pessoa Física 2019. Cerca de 2,55 milhões de contribuintes que declararam imposto de renda neste ano receberão dinheiro do Fisco. Ao todo, serão desembolsados R$ 4,99 bilhões do lote deste ano.

Além disso, a Receita também pagará R$ 109,6 milhões a 20.087 mil contribuintes que fizeram a declaração entre 2008 e 2018, mas estavam na malha fina. Considerando o pagamento de 2019 e os lotes residuais, o total gasto com as restituições chegará a R$ 5,1 bilhões para 2.573.183 contribuintes. O crédito bancário será realizado no dia 17 de junho.

A consulta à lista com os nomes pode ser feita pela Internet, no site da Receita Federal, ou pelo Receitafone, no número 146. Na consulta à página da Receita, serviço e-CAC, é possível acessar o extrato da declaração e ver se há inconsistências de dados identificadas pelo processamento. 

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Receba em primeira mão nossas notícias via WhatsApp
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

O dinheiro será depositado nas contas informadas na declaração e ficará disponível durante um ano. Se o resgate não for feito neste prazo, a solicitação deve ser feita por meio do formulário eletrônico Pedido de Pagamento de Restituição, ou diretamente no e-CAC, no serviço Extrato do Processamento da DIRPF. O contribuinte que não receber a restituição deverá ir a qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para os telefones 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos) para ter acesso ao pagamento.

Os dois últimos lotes regulares serão liberados em novembro e dezembro. Se estiverem fora desses lotes, os contribuintes devem procurar a Receita Federal porque os nomes podem estar na malha fina por erros ou omissões na declaração.

Foto: Marcos Santos / USP Imagens

error: Conteúdo Protegido!!