Queda de idosos: Geriatra dá dicas para a prevenção de quedas na terceira idade

Na última segunda-feira (24), foi comemorado o Dia Mundial de Prevenção de Queda em Idosos. Foi por isso que, há algum tempo, no dia 13 de junho, o Conselho Municipal do Idoso (CMI) realizou em Blumenau um seminário sobre prevenção de quedas de idosos, que abordou técnicas do Centro de Saúde do Idoso.

Em qualquer idade, todos correm o risco de sofrer alguma queda. Porém, ao se tratar de uma pessoa idosa é importante ficar atento a este tipo de situação. De acordo com o Ministério da Saúde, a estimativa é de que haja uma queda em cada três pessoas com mais de 65 anos. Destes, um a cada 20 sofrem algum tipo de fratura ou necessitam de internação e atendimento médico. Dentre os mais idosos, acima de 80 anos, 40% caem a cada ano.

As quedas, por menores que sejam, podem acabar ocasionando lesões e fraturas de difícil recuperação. De acordo com o geriatra cooperado à Unimed, Dr. Roberto Esmeraldino, as principais fraturas são no fêmur, punho e coluna. O médico alerta também que em situações mais graves, as fraturas ósseas e sangramentos intracranianos são algumas das possibilidades.

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Receba em primeira mão nossas notícias via WhatsApp
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

Dr. Roberto explica que alguns fatores de risco podem ocasionar o problema. “Alguns fatores externos, como calçadas irregulares, pisos escorregadios, tapetes e brinquedos espalhados podem dificultar a locomoção da pessoa idosa, causando a queda. Outra questão importante a ser levada em consideração são as doenças como Alzheimer, Parkinson e outras comuns nessa idade, que podem também afetar a locomoção. O uso de alguns medicamentos pode causar tonturas e confusão mental, também aumentando os riscos“, explica.

Como prevenir as quedas na terceira idade

A principal forma de prevenir as quedas é estar atento aos fatores de risco, a fim de evitar situações que possam causar o problema. Manter tapetes e móveis fora do caminho, além de outros objetos que podem atrapalhar a locomoção, e utilizar sapatos adequados, com solas antiderrapantes, são algumas dicas que podem auxiliar na prevenção. Em alguns casos, a instalação de barras de suporte pela casa pode ser necessária, bem como o uso de bengalas ou andadores para melhorar a mobilidade do idoso.

É importante, ainda, manter um estilo de vida saudável, com bons hábitos alimentares e visitas regulares ao médico. Outra dica importante é a prática de exercícios físicos, pois estes melhoram o equilíbrio, fortalecem a musculatura e diminuem o risco de doenças.

Foto: Cecília Bastos / Usp Imagens

error: Conteúdo Protegido!!