Prefeito de Florianópolis é preso em operação da Polícia Federal

O Prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, foi preso na manhã desta terça-feira (18), durante a Operação Chabu, da Polícia Federal. O objetivo da operação é desarticular uma organização que violava sigilo de operações policiais no Estado de Santa Catarina.

O jornal Notícias do Dia divulgou que a prisão temporária do prefeito, com prazo de cinco dias, foi confirmada pelo chefe de gabinete da Prefeitura de Florianópolis, Bruno Oliveira. Conforme a divulgação do jornal, o delegado Fernando Caieron, da Polícia Federal de Florianópolis, foi detido como suspeito de atrapalhar a investigação contra uma organização crimininosa, e o ex secretário da Casa Civil, Luciano Veloso Lima, também estava entre os presos nesta manhã.

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Receba em primeira mão nossas notícias via WhatsApp
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

Os Policiais Federais cumpriram 30 mandados, dos quais 23 eram de busca e apreensão e 7 de prisão temporária em Santa Catarina. Segundo a Polícia Federal, em análises da Operação Eclipse, deflagrada em 2018, foi apurado que a organização criminosa construiu uma rede composta por um núcleo político, empresários e servidores da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal, lotados em órgão de inteligência e investigação, com o objetivo de embaraçar investigações policiais em curso e proteger o núcleo político em troca de benefícios financeiros e políticos.

Ainda conforme a Polícia Federal, várias práticas ilícitas foram apuradas durante as investigações, dentre as quais destacam-se o vazamento sistemático de informações a respeito de operações policiais a serem deflagradas, e até contrabando de equipamentos de contra inteligência para montar salas seguras a prova de monitoramento em órgãos públicos de empresas. Os elementos obtidos durante a investigação apontam a prática de crimes de associação criminosa, corrupção passiva, violação de sigilo funcional, tráfico de influência, corrupção ativa, além da tentativa de interferir em investigação penal que envolvia organização criminosa.

Foto: Redes Sociais / Gean Loureiro

error: Conteúdo Protegido!!