Política e futebol

Por Leonardo Secchi, colunista do Notícias Vale do Itajaí:

 

Estamos na semana da Copa do Mundo, mais uma que coincide com as eleições gerais no país. Aliás, desde 1994 o Brasil elege um novo presidente no mesmo ano em que o mundo conhece um novo campeão no futebol. Tanto o evento esportivo quanto o democrático acontecem a cada quatro anos, assim como Olimpíadas e eleições municipais coincidem a cada dois.

Há quem duvide da coincidência das datas, os que veem uma estratégia do governo para desviar a atenção do povo e até os que torcem contra a seleção ou mesmo desligam a TV em protesto político. Por outro lado, tem também os torcedores/eleitores que não veem correlação alguma, os que usam o esporte como remédio para se desligar um pouco do caos político e os que acreditam que o resultado em campo pode influenciar o das urnas. Qual destes brasileiros é você?


Copa e eleições

Sou daqueles que gostam de futebol e de política, que não conseguem dissociar a Copa das eleições, mas também aquele brasileiro que não vê uma vitória ou uma derrota dentro de campo como fator determinante para eleger ou não um presidente. E neste quesito, a história me ratifica. Só em 1994, quando o Brasil foi tetracampeão, após 24 anos de jejum de títulos, Fernando Henrique Cardoso foi eleito com seu projeto do Plano Real e chegou a afirmar que a vitória da Seleção foi importante para deixar a nação otimista em relação ao sucesso da moeda e, consequentemente, ao seu nas urnas.

Depois daí, a correlação se desfez. Em 1998, FHC foi reeleito e o Brasil perdeu o Mundial para a França; em 2002, a Seleção venceu a Alemanha, tornou-se pentacampeã, enquanto a oposição conquistava o governo com o presidente Lula; quatro anos depois, Lula foi reeleito e o Brasil nem chegou à final, foi eliminado pela França nas quartas-de-final; em 2010, o Brasil perdeu para a Holanda e a candidata do governo (Dilma Rousseff) venceu as eleições; o mesmo aconteceu em 2014, com a Seleção levando 7 a 1 da Alemanha e o governo reelegendo Dilma.

 

Falta pouco para outubro

Em 2018, em meio à uma crise política e a quatro meses das eleições, o governo tem uma das maiores rejeições da história, tanto que ainda não conseguiu um candidato que o de fato defenda. O descrédito da classe política arranhada pela corrupção é tão grande que o técnico da Seleção Brasileira, Tite, chegou a pedir para não atrelar futebol à política.

É claro que Tite estava falando da política eleitoral, mercantilista, corrupta que, infelizmente, também está dentro da Fifa, da CBF e do esporte como um todo. Porém, quando falamos da política em sua essência, da arte ou ciência de governar, que mal há em vestir a camisa verde e amarela, gritar pelo gol em campo ou na urna, torcer pelo caneco, por um país mais justo e por um presidente melhor?


Nossa escalação

Não há como dissociar, até porque a mesma camisa que será defendida em campo foi e, ainda é, a usada em protestos nas ruas. Da mesma forma que a lista dos jogadores que irão nos representar na Copa, teremos a escalação em outubro dos nossos representantes públicos. Qual time queremos eleger? Qual seleção queremos vitoriosa? Há um simbolismo popular no esporte que é uma verdadeira analogia à vida e isso tem tudo a ver com política: mais importante que os títulos conquistados é saber como você chegou até eles.


Opinião

Se você quer opinar sobre o assunto, acesse a Fanpage e o Instagram, comente e debata: www.facebook.com/codeputado  e @codeputado

error: Conteúdo Protegido!!