Onde estava e o que estava fazendo Pizzolatti no dia em que se envolveu em acidente de trânsito e afirmou estar bêbado?

As informações do Portal da Transparência do Estado apontam que João Alberto Pizzolatti Júnior deveria estar realizando “tratamento de saúde” na última quarta-feira (22), quando se envolveu em um acidente de trânsito na SC-421 (Rodovia Werner Duwe). Ele é funcionário efetivo como Auditor Fiscal da Secretaria do Estado da Fazenda (SEF), lotado na Gerência Regional de Blumenau e recebe um salário bruto de R$ 32.821,58. Ainda de acordo com os dados da Transparência, Pizzolatti foi efetivado em 02 de março de 1984. Sua situação está como “ativo” com carga horária de 40 horas por semana.

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

Há uma observação na última remuneração disponível, informando que o auditor fiscal está afastado, porém sua remuneração foi efetuada de forma integral, acrescida de 50% do 13º salário, o que resultou com deduções de tributos o pagamento líquido no valor de R$ 35.488,65. Na última sexta-feira (22) o Notícias Vale do Itajaí procurou a gerência regional da SEF, em Blumenau, mas um dia antes foi dado início ao recesso dos servidos do Estado e os telefonemas não foram atendidos.

 

Foto: Reprodução / Portal da Trânsparência

 

 

“Quem é tu?”

No vídeo gravado por populares, em que o ex-deputado federal confessa estar bêbado no momento do acidente, o auditor fiscal questiona para um homem, quem é aquele cidadão indignado, perguntando “quem é tu?”. A seguir segue um breve histórico da vida do ex-parlamentar, que hoje não pode concorrer a cargo público, já que foi barrado pela Lei da Ficha Limpa e que também é investigado na Operação Lava Jato, a maior operação de combate a corrupção da história do Brasil.

O ex-deputado federal João Pizzolatti (PP-SC), em seu discurso no plenário da Câmara dos Deputados – Foto: Divulgação / Câmara Federal

João Alberto Pizzolatti Júnior, é natural de Blumenau. Nasceu em  31 de outubro de 1961 (56 anos), é filiado ao PP (Partido Progressista) e ocupou um cadeira na Câmara Federal pela primeira vez entre 1995 e 1999, depois foi reeleito para o mandato entre 1999 e 2003, ficando fora da Câmara até 2007, quando cumpriu seu último mandato até 2011, sendo impedido de participar de uma nova eleição, por ter sido condenado por improbidade administrativa em 2007.

Logo após ser impedido pelo Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina participar das eleições, seu filho João Alberto Pizzolatti Neto tentou disputar ao cargo, mas acabou desistindo, no meio do percurso do pleito de 2014, em meio a turbulência das citações da Operação Lava Jato, em que Alberto Youssef e o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, que apontaram que Pizzolatti fazia parte de um “Quadrilhão”, num inquérito remetido ao Supremo Tribunal Federal.

Em fevereiro do ano passado, Pizzolatti Júnior encaminhou carta ao juiz Sergio Moro, informando de que estaria protegido das Investigações realizadas pela Lava Jato no Paraná. Na carta, alegou que foi nomeado secretário Extraordinário de Articulação Institucional e Promoção de Investimentos de Roraima e argumentou que o cargo lhe confere o direito de ser processado e julgado pelo
Tribunal de Justiça do estado e, no caso da Lava Jato, que envolve crimes de âmbito federal, pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Porém todos os políticos flagrados e não eleitos para um novo mandato perderam o foro privilegiado.

Em mais um esquema para seu próprio privilégio, Pizzolatti foi inserido no governo do Estado de Roraima como Secretario Extraordinário de Articulação Institucional e Promoção de Investimentos, e depois acabou assumindo a Secretaria de Estado Extraordinária de Relações Institucionais de lá, onde era conhecido como “Alberto Pizzolatti”. Uma determinação judicial expedida em agosto do ano passado determinou o afastamento do catarinense da governo daquele estado.

Hoje seu advogado Michel Saliba Oliveira alega a imprensa que ele está viciado em álcool e que sofre de depressão depois que perdeu a possibilidade de ocupar uma cadeira no legislativo. Segundo Saliba Oliveira, a família alega que Pizzolatti Júnior já está internado numa clínica de reabilitação, mas não informa sequer a cidade dessa clínica.

 

Foto de capa: Reprodução / Redes Sociais

 

error: Conteúdo Protegido!!