Justiça Federal condena quatro indivíduos que pagavam Uber com dinheiro falso, em Blumenau

O Ministério Público Federal (MPF), moveu na Justiça Federal em Blumenau uma ação penal, que resultou na condenação quatro homens por constituírem associação criminosa, já que eles estavam pagando com dinheiro falso motoristas do aplicativo Uber.

De acordo com as informações divulgada pelo MPF, a procuradora da República Lucyana Marina Pepe Affonso, responsável pelo caso, identificou que os indivíduos começaram acometer o crime em meados de 2018, sendo que o delito foi descoberto na madrugada de 4 de julho, quando foram presos em flagrante, com R$ 250,00 em cédulas falsas. Durante a abordagem outro motorista, que momentos antes havia recebido papel-moeda falsificado, chegou ao local e reconheceu dois dos presos como sendo aqueles que haviam feito o repasse.

As investigações apontaram que os réus estavam envolvidos em várias ocorrências semelhantes, sempre solicitando corridas de curta distância pelo aplicativo de carona e sempre efetuavam pagamentos com cédulas altas. Para a procuradora a situação vinha perturbando a tranquilidade dos motoristas que atuam por meio de aplicativo. “As corridas geralmente contavam com elevado número de passageiros, provavelmente com o intuito de inibir reclamações por parte dos motoristas que recebiam as cédulas”, disse.

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

Na sentença, proferida pouco menos de quatro meses depois do oferecimento da denúncia, a Justiça condenou cada um dos réus a pena de quatro anos de reclusão e multa. Também foram mantidas as ordens de prisão preventiva a dois dos réus que estão foragidos.

“Condenações como estas devem ser noticiadas para que a sociedade tome conhecimento acerca da atuação do MPF com vistas a restabelecer a confiabilidade da moeda posta em circulação, e perceba que a Justiça pode ser célere e efetiva”, afirma a procuradora Lucyana Pepe.

 

*Com informações da Assessoria de Comunicação Social do MPF-SC
Foto: Jefferson Santos / Notícias Vale do Itajaí

 

error: Conteúdo Protegido!!