Grupo de Lima quer denunciar Maduro por crime humanitário

da ANSA

O Grupo de Lima decidiu solicitar ao Tribunal Penal Internacional (TPI) e ao Conselho dos Direitos Humanos da ONU medidas urgentes em resposta à “violência criminal do regime de Nicolás Maduro contra a população civil” por proibir a entrada de ajuda humanitária na Venezuela, o que constitui um crime contra a humanidade. A medida é resultado da reunião extraordinária entre presidentes, vice-presidentes e chanceleres de 14 países, entre eles o Brasil e Estados Unidos, realizada nesta segunda-feira (25) em Bogotá, na Colômbia, para debater a grave crise no país latino. De acordo com o declaração conjunta, os países “decidem solicitar ao TPI que leve em consideração a grave situação humanitária na Venezuela, a violência criminosa do regime de Maduro contra a população civil e a negação do acesso à assistência internacional”.

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Receba em primeira mão nossas notícias via WhatsApp
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

O documento com 18 pontos foi lido pelo chanceler colombiano, Carlos Holmes Trujillo, e também exige que o líder chavista deixe o poder imediatamente, abrindo a porta para uma transição pacífica e eleições livres. Além disso, foi pedido para a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, para responder “prontamente à situação nesse país, antes de apresentar o seu relatório abrangente sobre a 41ª sessão do Conselho de Direitos Humanos”. O grupo propôs uma discussão sobre o risco de Maduro permanecer no poder por representar “uma ameaça sobre o risco sem precedentes à segurança, paz, liberdade e prosperidade em toda a região”. Segundo os países, estão acontecendo “negociações diretas” com o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, para que possa impulsionar a ativação de medidas contra Maduro. Entretanto, o Grupo de Lima condenou os fatos ocorridos no último fim de semana, tanto na fronteira do Brasil quanto na Colômbia, onde foram registrados atos violentos para barrar a entrada de ajuda humanitária. A declaração conjunta foi assinada pelos representantes da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Venezuela. O encontro contou com a presença do autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, além do vice de Donald Trump, Mike Pence, e do vice-presidente brasileiro, Hamilton Mourão.

Foto: ASSCOM / VPR

error: Conteúdo Protegido!!