Autoridades do ramo e governador falam sobre corte de 40% no orçamento da União para a Saúde de SC

O Projeto de Lei Orçamentária Anual 2020 (PLOA 2020) prevê uma redução de 40% do repasse da União para Santa Catarina no setor de saúde e tem preocupado autoridades de todo o Estado. Na semana passada o assunto repercutiu na Assembleia Legislativa e o assunto também foi debatido em Câmaras de Vereadores.

Durante a visita do governador Carlos Moisés a Blumenau, o Notícias Vale do Itajaí (NVI) aproveitou a presença do chefe do Executivo Catarinense e também do Secretário de Estado da Saúde para indagar sobre o que será feito para se conseguir reverter a situação e quais os impactos que esse corte poderá trazer para os usuários do Sistema Único de Saúde, o SUS.

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Receba em primeira mão nossas notícias via WhatsApp
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

O secretário da pasta Helton de Souza Zeferino disse em entrevista exclusiva ao NVI que a situação causa apreensão e preocupação. “Um corte de 40% é um montante muito significativo para Santa Catarina. Nós estamos procurando os nossos parlamentares federais para realinhar esse entendimento até porque dentro dos estados do sul nós somos o estado que mais recebeu corte” afirmou Zeferino.

O governador Carlos Moisés também foi indagado sobre a situação e questionado sobre o que ele poderia fazer para reverter a situação, já que o presidente da República também é de seu partido. O governador iniciou a respostas justificando o corte e disse que está comprometido em rever a situação, confira a entrevista:

Os impactos nos municípios e o que dizem autoridades blumenauenses

Para o secretário de Saúde de Blumenau e médico Winnetou Krambeck, o atendimento à saúde na cidade deve ser atingido pelo corte. “Se for confirmado esse corte, certamente nós teremos grandes impactos no atendimento à saúde aqui no estado e no município de Blumenau, que já investe 32% de sua receita em saúde”. afirma Krambeck.

“Se a gente olhar o contexto da atenção básica em saúde, que sua grande parte de investimentos é do Ministério da Saúde, os impactos serão ainda maiores. O atendimento prestado nos postos de saúde, por exemplo, poderá ficar comprometido” explica o secretário municipal, aflito com a notícia em relação ao próximo ano.

Para o vereador Marcelo Lanzarin (MDB), atual presidente Câmara de Vereadores de Blumenau, que também é médico e que também já foi secretário da saúde no Município, “Blumenau por ser um município eferência em alta complexidade, principalmente na ortopedia, na gestação maternal, na cardiologia, na neurologia, nos transplantes, enfim, impactará em tudo isso, principalmente nos hospitais Santo Antônio e Santa Isabel.”

Lanzarin ainda complementa que “para se ter uma ideia, em alguns serviços de alta complexidade, Blumenau é referência para mais de 90 municípios catarinenses que encaminham seus pacientes para os nossos hospitais, já que precisam realizar tratamentos renais e procedimentos cirúrgicos [como exemplo], então esse corte comprometerá não só o município de Blumenau, mas a todos as cidades do estado” enfatiza.

Foto: Camila Souza / GOVBA (Aquivo)

error: Conteúdo Protegido!!