Capivara entra em hotel no Centro de Blumenau e Corpo de Bombeiros a devolvem para natureza

No  fim da noite de ontem (28) o Corpo de Bombeiros de Blumenau foi solicitado para resgatar uma capivara que estava em perigo, já que entrou nas dependências de um hotel, localizado na Rua Sete de Setembro,Centro da cidade. O roedor, ainda jovem, teria saído das margens do rio Itajaí Açú, que fica a cerca de aproximadamente 500 metros de distância do local, sendo que para chegar até o hotel, ele precisou atravessar as três vias bastante movimentadas.

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

De acordo com os bombeiros, a ocorrência foi gerada por volta das 23h45min e assim que os bombeiros chegaram no local ela estava confinada em um dos banheiros do estabelecimento e esse tipo de ocorrências é comum na cidade. “Era um filhote, quando chegamos ela estava dentro de um banheiro. Isso não é incomum na nossa cidade esse tipo de situação. A capivara é um animal aparentemente dócil, mas pode ficar agitada com a presença de humanos, tentar correr, derrubar pessoas ou até mesmo morder, por isso são necessárias precauções.” disse o sargento Marcos Leandro, que atendeu a ocorrência na companhia de outros três bombeiros.

 

“Há vários ribeirões próximos das residências aqui na região, isso favorece o aparecimento desses animais no interior de imóveis…” alerta o bombeiro. “Recentemente fizemos a retirada de uma capivara na piscina de um outro hotel, também filhote e se não fôssemos acionados, certamente ela iria se afogar e morrer porque  ficava de um lado para o outro, iria chegar à exaustão!” comentou. “É importante lembrar que a capivara é um animal selvagem, e precisa ser tratada com cuidado…” alerta o Marcos.

Sobre o que fazer no caso de encontro desse tipo de animal a orientação é chamar autoridades responsáveis, orienta o bombeiro militar:  “Se caso se deparar com um animal desses dentro de casa, ou num estabelecimento, o ideal é repassar a informação ao Corpo de Bombeiros ou a Polícia Ambiental. O indicado é não fazer a captura e não maltratar o animal, pois mesmo que aparente ser um animal frágil, ela é muito resistente e sentindo acuada vai atacar. Além disso as capivaras são hospedeiras de um parasita que pode ser fatal aos seres humanos.” orienta o sargento.

Assim que o animal foi capturado, foi levado novamente para às margens do rio, próximo a foz do ribeirão Garcia, onde é seu habitat natural.

 

As capivaras

A capivara é a maior espécie dos mamíferos roedores. São ‘simpáticos’ e são facilmente encontrados em países da América do Sul. Vivem às margens de córregos e conseguem ficar debaixo d’água por mais de cinco minutos. Medem entre 100 e 130 centímetros de largura e 50 de altura. Em média pesam entre 30 e 80 quilos, dependendo do sexo (as fêmeas costumam ser um pouco maiores do que os machos). Costumam viver em grupos de cerca de dez membros e só se alimentam de vegetação, normalmente plantas aquáticas e capim.

 

Riscos a saúde humana

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o animal costuma ter muitos carrapatos, e esses insetos podem causa uma infecção aguda através de uma bactéria. De acordo com pesquisadores da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, a infecção por essa bactéria pode causar uma doença que provoca febre, dor muscular, cefaléia e, em 70% dos casos, manchas na pele a partir do terceiro dia após a infecção, podendo haver necrose das extremidades e, nos casos mais graves, levar à morte.

 

Foto: Manolo Franco / Divulgação (Arquivo)